População de cachorros muito pequenos cresce nas grandes cidades

A verticalização das cidades e o espaço cada vez menor das residências estão mudando o estilo de vida dos brasileiros. O que não muda, no entanto, é a vontade de ter uma companhia canina. Por causa disso, cada vez mais pessoas e famílias optam por cães de raças muito pequenas, que ocupam pouco espaço e são ideais para quem vive em apartamentos.

No Brasil, 55% do total de 34,9 milhões de cães são de porte pequeno, ou seja, até 10 kg, segundo dados da Euromonitor. Neste grupo, os cães muito pequenos, de até 4kg quando adultos, representam 40% da população, e este universo de cães tem crescido cerca de 18% a cada ano.

“Os cachorros pequenos vivem mais do que os grandes, mas também inspiram cuidados especiais”, explica Eduardo Kroth, Médico Veterinário e Gerente de Produto das Linhas Cães da Royal Canin do Brasil. Além de visitas frequentes ao pet shop para banho, tosa e consultas veterinárias regulares, é preciso conhecer as necessidades específicas dos cães miniaturas e cuidar de sua alimentação, tudo isso para que eles tenham uma vida melhor e mais longa junto de seus proprietários, esclarece Kroth.

Alta necessidade energética

Os cães miniaturas necessitam de um alimento que forneça muita energia, porém, em reduzido volume já que seu estômago é pequeno. “Eles não conseguem comer grandes quantidades, mas precisam de muita energia. Por isso, o alimento ideal para eles deve ter alta densidade energética”, explica o Médico Veterinário Eduardo Kroth.

Predisposição ao tártaro

Por terem dentes proporcionalmente grandes ao reduzido tamanho e espaço de sua boca, estes cãezinhos têm predisposição ao acúmulo de placa bacteriana, o que favorece a formação de tártaro e, consequentemente, mau hálito. O tártaro já pode estar presente nos filhotes de cães muito pequenos a partir dos seis meses de idade. Sendo assim, os cuidados devem começar cedo, com um alimento que auxilie a saúde dental, embora a escovação diária dos dentes também seja muito importante. “Vale lembrar que cães muito pequenos necessitam de um alimento com tamanho adequado (croquete pequeno), o qual facilita a preensão”, alerta Kroth.

 

Cálculos urinários

Além de uma predisposição genética, os cães de raças muito pequenas bebem pouca água e produzem um volume pequeno de urina, o que faz com que haja maior concentração de minerais, um dos fatores para a formação de cálculos urinários. “Para evitá-la é importante ter uma alimentação com equilíbrio adequado de minerais”, salienta Eduardo.

Constipação intestinal

Os cães que vivem em espaços pequenos, especialmente dentro de casa ou apartamento, normalmente não fazem muito exercício físico. Este fator, juntamente com o menor tempo de trânsito intestinal, característico dos cães muito pequenos, e a baixa ingestão de líquido, pode causar constipação intestinal. A quantidade e o tipo de fibras na dieta possuem um papel importante neste aspecto.

Doenças cardíacas na maturidade

Um cão muito pequeno possui alta expectativa de vida e pode viver, em média, cerca de 14 anos ou mais, ao lado de seu dono. Porém, após os oito anos de idade começam a aparecer os primeiros sinais de envelhecimento. A partir desta idade, um em cada seis cães de raças muito pequenas tem doenças cardíacas. Após os 12 anos, a proporção aumenta para um em cada quatro. A prevalência de sopro cardíaco nestes cães é bem maior do que em cães grandes.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa, adaptado pela equipe Cães&Gatos.

Confira 10 raças de cachorros boas para apartamento

Se você mora em apartamento e não consegue se decidir qual a raça de cachorro é mais indicada para você, confira a seguir uma lista com 10 raças que se adaptam bem em ambientes menores.

Pug

O Pug é um cachorro pequeno, muito distinto e com uma aparência única. Adora ficar no colo, tem uma pele solta enrugada, focinho curto e olha para nós com seus característicos olhos esbugalhados. O focinho curto dos pugs, tornam sua respiração mais difícil em dias quentes, recomenda-se que fiquem em ambientes com ar condicionado em dias muito quentes.

Poodle

É um cão de vários tamanhos, com uma pelagem encaracolada que não cai muito, mas cresce bastante. É um cachorro inteligente, constantemente alerta e ativo, harmoniosamente construído, dando uma impressão de elegância e orgulho. O poodle é conhecido pela sua lealdade, inteligência e capacidade de aprender.

Maltês

O Maltês é um lindo cão de pequeno porte, com corpo alongado, coberto por uma pelagem branca muito longa. Seus olhos são bem abertos, com expressão viva e atenta. Ele é muito elegante, distinto e orgulhoso. O maltês é um cão alegre, afetuoso, muito dócil e muito fácil de ensinar. Outra característica legal para apartamento é que ele quase não tem cheiro de cachorro.

Bichon Frisé

O Bichon Frisé é um cão alegre, sensível, simpático, brincalhão e carinhoso. Ele adora companhia e exige muito de nossa atenção. O Bichon Frise tem uma pelagem fina, sedosa, com cachos soltos. O Bichon Frisé é originário do Mediterrâneo é um cão alegre e brincalhão, com um andar animado, ama atividade e requer exercício regular.

Yorkshire Terrier

Yorkies são lindos e afetuosos, e tem longos pelos macios. São facilmente adaptáveis ​​a todos os ambientes, adoram viajar, o que os torna animais de estimação adequados para muitos lares. Devido ao seu pequeno tamanho, eles exigem um exercício limitado, mas precisam de interação diária com as pessoas da casa. Sua pelagem longa requer escovação regular.

Lhasa Apso

O Lhasa Apso é um cachorro de origem tibetana. Eram criados como cães de guarda “indoor” por centenas de anos. São desconfiados com estranhos, de modo que a socialização precoce é fundamental. Eles são mais adequados para famílias de adultos ou crianças mais velhas. Gosta de caminhadas regulares e da presença dos donos.

Shar Pei

Uma raça inteligente mas muitas vezes teimosa. Para se tornar um proprietário de um Shar Pei você deve fazer uma análise cuidadosa. Eles são brilhantes e aprendem rapidamente, mas a educação inicial e socialização precoce são muito importantes, assim como também os exercícios diários. Shar Peis são cães limpos, calmos e afetuosos.

Shih Tzu

O Shih Tzu é um cachorro pequeno, muito engraçadinho é um companheiro para todas as horas,  um animal de estimação por excelência, sempre animado, atento, amigável e confiante com todo mundo. Ele requer um exercício mínimo, mas sua pelagem longa e luxuosa precisa de escovação diária e manutenção, se preferir, pode manter o shih tzu tosado como o pelo dos filhotes.

Pastor de Shetland

Shelties amam suas famílias, mas podem ser reservados no primeiro contato com estranhos. Os shetlands são muito ativos, companheiros e brincalhões e adoram ser ‘babás’ das crianças. Como um cão de pastoreio, os shetlands podem estar inclinados a fazer a guarda e dar o alarme. Adaptam-se a muitos estilos de vida muitos se tiver a dose correta de exercício.

West Highland White Terrier

Westie ama estar rodeado de pessoas e é uma ótima aquisição para qualquer família carinhosa. OWestie é devotado, muito feliz e fiel. É também é um companheiro de viagem maravilhoso, devido ao seu tamanho pequeno. Seus pelos são uma combinação de um sub pelo macio e denso e pelo exterior mais ‘áspero’. Uma escovação diária e tosa regular é necessário.
Fonte: Guia de Raças

Yorkshire Terrier: Um ótimo companheiro!

Dono de uma pelagem exuberante, o Yorkshire é um corajoso e curioso terrier de pequeno porte. Criado para desentocar roedores em meados do século XIX, na Inglaterra, o Yorkshire Terrier é hoje uma das raças preferidas para companhia.

Cachorro da raça Yorkshire

A Raça Yorkshire Terrier

Os cachorros da raça Yorkshire Terrier são pequenos mas muito cheios de energia. Costumam ser ativos e muito conectados ao que acontece ao seu redor. Exemplares da raça Yorkshire Terrier geralmente são muito carinhosos e gostam de ficar perto da família. O Yorkshire tem uma baixa tolerância com crianças pequenas e, apesar de ser uma raça considerada carinhosa, prefere a companhia de crianças mais velhas e de adultos.Poucas raças de pequeno porte têm sido tão populares em todo o mundo como este belíssimo terrier miniatura. É importante lembrar, entretanto, que os cachorros da raça Yorkshire Terrier são exigentes. Apresentam temperamento forte, gostam de ser o foco da atenção de todas as pessoas que interagem com ele e são bastante reservados com estranhos. Exemplares mais dominantes costumam não aprovar nem mesmo a presença de estranhos em seu território.

O Yorkshire Terrier vive bem em apartamento, já que é considerada uma raça que se adapta facilmente. Gostam da atenção e das brincadeiras com a família, além dos passeios de coleira e de carro, motivos suficientes para torná-lo um excelente cão de companhia.
Filhote de cachorro da raça Yorkshire

História da Raça

A raça Yorkshire Terrier surgiu na Inglaterra, mas precisamente no Condado de Yorkshire, em meados do século XIX. A raça foi desenvolvida por mineiros e trabalhadores das indústrias de vestuário inglesas e escocesas que procuram por um cão forte, pequeno e corajoso. Estes cães de caça deveriam penetrar em pequenos espaços onde se entocavam texugos e raposas, e também capturar ratos e camundongos. A raça pertencia então à classe trabalhadora, especialmente os tecelões.
Os primeiros exemplares eram um pouco maior do que os de hoje e demonstravam grande coragem para enfrentar outros animais. Através do cruzamento dos menores exemplares ao longo do tempo, a raça se tranfornou no Yorkshire Terrier que conhecemos hoje. Os cães Yorkshire Terrier de hoje não são usados para sua função original, mas seu caráter permanece fiel ao de seus ancestrais.
Cachorro da raça Yorkshire

Aparência Geral

O Yorkshire tem uma aparência, alegre e inteligente, seu olhar é penetrante, suas orelhas são pontudinhas. Quem vê um Yorkshire pela primeira vez, pode ter a impressão de estar vendo um ‘ursinho’ de pelúcia.
O Yorkshire é um cachorro pequeno e compacto que apresenta uma linda pelagem de cor azul-aço e canela, longa, lisa e sedosa. Os olhos são um pouco proeminentes, escuros. As orelhas são pequenas, eretas e em forma de ‘v’. Apesar da aparência frágil, o Yorkshrie Terrier é um cachorro forte, compacto e bem proporcionado. Os exemplares da raça Yorkshrie terrier portam sua cabeça erguida, com uma atitude confiante e imponente. O peso de um Yorkshire adulto não ultrapassa os 7 kg, mas há muitos exemplares menores que podem pesar menos de 3 kg.
Filhote de cachorro da raça Yorkshire

Temperamento

O Yorkshire Terrier é um cachorro que parece ignorar seu tamanho pequeno. Este pequeno terrier é altamente entusiasmado, corajoso, inteligente e louco por aventura. Muitos proprietários demoram algum tempo para aprender como lidar com sua personalidade.O Yorkshire é um companheiro maravilhoso, carinhoso com sua família. Mas para que não se tornem excessivamente dominantes, é necessário ensiná-los desde pequenos. A raça Yorkshire Terrier precisa de donos que tenham pulso firme e saibam impor limites. Por isso mesmo é uma raça mais recomendada para famílias que não tenham crianças muito pequenas em casa.

Nunca deixe que seu Yorkshire demonstre agressividade, em nenhuma circunstância. Repreendê-lo adequadamente enquanto filhote é uma escolha muito mais acertada do que aceitar que ele mande em você e tome conta da situação. Lembre-se que o cachorro que não conhece limites, pode apresentar desvios de comportamento depois de adulto, podendo ficar muito ciumento, agressivo, tímido etc. Quando os donos aprendem a exercer liderança, eles são muito meigos, amorosos, e confiáveis com as crianças.

Filhote de cachorro da raça Yorkshire

Saúde e cuidados

Todo filhote precisa de cuidados especiais, principalmente nos primeiros meses de vida. No caso do Yorkshire, devido ao seu tamanho pequeno, é importante redobrar estes cuidados.
O Yorkshire Terrier é um cachorro que deve viver dentro de casa, prefere viver em locais de clima temperado e não gosta de frio. O Yorkshire não solta muito pelo mas, mesmo assim, a pelagem exige algum cuidado. Procure escovar os pelos do seu cachorro pelo menos duas vezes por semana.
As rações mais indicadas para os cachorros da raça Yorkshire Terrier são, preferencialmente, as de linha super-premium. Oferecer uma ração de boa qualidade é muito importante para manter os cães da raça Yorkshire com boa saúde, ajudando até mesmo na prevenção de doenças.

Lembre-se que apesar de ser uma ótima raça para criar em ambientes com menos espaço, como apartamentos, o Yorkshire é muito ativo e precisa  de exercícios, brincadeiras e passeios diários. Brincar com seu Yorkshire suprirá boa parte das necessidades de exercício, porém, ele ainda vai precisar caminhar. Os cães que não caminham diariamente são mais propensos a apresentar problemas de comportamento. Se seu  Yorkshire estiver correndo pela casa como uma bala, é um sinal de que ele precisa de mais exercício. Neste caso, os passeios de coleira serão sempre uma boa opção.
Fonte: Guia de Raças

Os 10 mandamentos do mundo cão

por Fernando Evangelista  Imagens Juliana Kroeger* 

Senhoras e senhores, coroas e coroinhas, mocinhos e moçoilas, apresento a vocês, pela primeira vez na blogosfera mundial, os 10 mandamentos do mundo cão.

Para quem não sabe (sempre tem um ou outro que não sabe), meu nome é Amélie Fênix Pedreira. Sou filha da Fiona Fênix e do Pedro Pedreira, tenho quatro patas e descendo da família dos golden retriever, originários da Escócia, mas não me importo com linhagens, raças ou condição social. Quem se preocupa com essas bobagens são os zumanos, né não?

Colaboro de forma eventual com o Nota de Rodapé, blog escrito pelos zumanos, com todas as limitações zumanóides, mas que é bem-feitinho, charmosinho até. No mesmo ano de minha primeira colaboração, o blog foi eleito – vejam só – o melhor do Brasil. Isso, claro, foi apenas uma coincidência. Chega de papo-furado. Aí vão os nossos 10 mandamentos:

 – Amar a liberdade sobre todas as coisas. Mas se você quiser amar o osso antes da liberdade ou amar as sandálias humanas antes dos ossos, sinta-se à vontade. O segredo é ser livre e ter o que mastigar. O resto dá-se um jeito.

 – O Tempo, deus da vida, deve ser visto como um amigo e não como ameaça. Ele não se zanga, nem se vinga, nem vai separar o joio do trigo, os maus e os bons. O Tempo apenas existe, assim como existem o vento e a chuva, a bolinha de tênis e a pantufa de algodão.

 – Os dias da semana e também o sábado e o domingo serão usados para divertimento, sagrada razão da existência patuda. Cada um se diverte como pode e como lhe der na telha, sem imposições ou remorsos. A ociosidade não é pecado, simplesmente porque pecados são invenções zumanóides.

 – O sono é sagrado, assim como a amizade e um cobertor limpinho.

 – Exceto nossos irmãos castrados à revelia, ninguém será casto por opção. A castidade é um desperdício de energia criadora e o único sacrilégio existente é o de reprimir desejos – porque eles, os desejos, são dádivas da criação – e tudo que existe é sagrado, inclusive os gatos, os ratos e os adestradores.

 – Não roubar, a não ser que a meia zumanóide ou o osso do cão vizinho estejam dando sopa.

 – Charme, dom supremo da espécie patuda, pode ser usado como forma de sobrevivência. Se você aprontar alguma, tipo cavar buracos no quintal, destruir o sofá recém-comprado e morder a parede recém-pintada, é permitido fazer aquele olhar de ternura e arrependimento, um olhar que diz, em silêncio e sem latido, algo como: “nossa, estou perplexo, como isso pode acontecer? Quem foi o patife?”.

 – Mantenha viva a curiosidade – porque dela provém o encanto da vida, mas fique atento aos carros, às cobras e a uma fruta maliciosa chamada erva-moura, também conhecida como mata-cavalo. Eva Dog, primeira entre as primeiras, comeu da fruta e teve prisão de ventre durante toda a eternidade.

 – Cobiçar a cadela do próximo é valido, principalmente quando o próximo estiver distante. Cobiçar o macho da próxima é valido, principalmente quando a cadela estiver no cio – e quando não estiver também. Tudo é valido, afinal.

10º – Seja sempre leal aos zumanos e os perdoe porque, apesar do polegar opositor e do telencéfalo altamente desenvolvido, eles não sabem o que fazem, nem o que dizem. Dá-lhes um pouco de afeto, para que deste sentimento nasça a possibilidade de se enxergar a vida sem tanta dor e sem tanto medo. Demonstra, com paciência e sabedoria, que o essencial – se essência existir – é ter a coragem de ser bom.

Por tudo isso, distinto zumanóide macho, distinta zumanóide fêmea, reconheça, ao menos uma vez, apenas hoje, que a expressão Mundo Cão, usada de forma pejorativa por zumanos abobalhados, não faz nenhum sentido. Por quê?

Porque mundo cão é o seu.

*Fernando Evangelista é um jornalista zumanóide. Escreve todas as terças-feiras neste espaço. Fotos e ilustrações da jornalista multimídiaJuliana Kroeger

Dilatação ou torção estomacal

A torção gástrica afeta cães de grande porte com tórax profundo (Fila Brasileiro, São Bernardo, Pastor Alemão, Dogue Alemão, Weimaraner…), podendo também ocorrem em cães pequenos e em gatos, apesar de ser extremamente raro. A causa primária dessa doença ainda é desconhecida, porém há alguns cuidados que aparentemente previnem sua ocorrência.

Acredita-se que a dilatação preceda a torção gástrica. Não está esclarecido ainda o exato mecanismo de acúmulo inicial de gás, porém acredita-se que a aerofagia (deglutição de ar), as falhas no esvaziamento gástrico (eructação, vômito, passagem de conteúdo para os intestinos), e a ingestão de alimentos ricos em carboidratos estejam envolvidos neste processo.

Após dilatado, o estômago gira sobre o seu eixo longitudinal, ocorrendo a torção. Ocorrem inicialmente obstrução de vasos sanguíneos, compressão do diafragma, deslocamento do baço, seguido de várias alterações sistêmicas e metabólicas que agravam o quadro clínico do animal, podendo rapidamente levar à morte.

Os sinais clínicos iniciais são tentativas de vômito sem sucesso, salivação, inquietação, seguida de distenção abdominal progressiva e respiração ofegante, letargia e depressão, podendo evoluir para o coma e óbito. O mais importante, é o proprietário detectar os sinais precocemente e saber que se trata de uma emergência veterinária cirúrgica com alto índice de mortalidade, e que quanto mais cedo o cão for atendido, maiores sãos as chances de melhora.

O tratamento se baseia em estabilização da pressão sanguínea e de arritmias, descompressão gástrica, e cirurgia para o reposicionamento do estômago e fixação do mesmo na parede abdominal.

A prevenção é a melhor medida de combate à torção gástrica. Para isso, não dê ao seu cão grande quantidade de alimento numa única vez, fracione em poucas quantidades, várias vezes ao dia; evite as rações ou alimentos com alto teor de carboidratos, prefira os que apresentem maior quantidade de fibras; não permita que seu cão beba grandes quantidades de água de uma só vez; não deixe a ração ou alimento em comedouros elevados; evite exercícios após o consumo de alimentos. A qualquer sinal clínico de dilatação ou torção gástrica, procure imediatamente o seu médico veterinário.

 

 

 

Dermatite Alérgica à Picada de Pulga (DAPP)

É considerada a doença alérgica mais comum na rotina dermatológica, podendo corresponder a até 90% dos casos nos pacientes felinos com prurido e a 40% no caso dos caninos.

É causada pela saliva oriunda da picada das pulgas, principalmente Ctenocephalides felis, que possui mais de 15 componentes altamente alergênicos, independendo do número de pulgas presentes no animal.

Durante seu repasto sanguíneo (alimentação) no animal, as pulgas injetam saliva na pele com propriedades anticoagulantes. A proteína presente na saliva estimula o sistema imunológico do animal que é alérgico a reagir contra essa proteína e iniciam-se os sintomas. Vale lembrar que somente os animais alérgicos reagem a presença das pulgas, uma vez que podemos observar animais intensamente parasitados sem sintomas alérgicos. É difícil observar pulgas em animais alérgicos e isso pode ser explicado pelo fato de que apenas uma única pulga que pica o animal e sai pode desencadear a resposta alérgica. Muitas vezes identificamos somente a presença das fezes das pulgas.

As pulgas são ectoparasitas chamados temporários porque vão aos animais somente para alimentação, estando presente maciçamente no ambiente, ou seja, 5% das pulgas estão no animal e 95% estão no ambiente, sendo no ambiente o local onde as pulgas vão fazer a sua postura dos ovos.

O principal sintoma observado é o prurido (coceira) com intensidade variando de moderada a intensa. Muitas vezes podemos observar que o prurido apresenta sazonalidade, ou seja, que ocorre com mais freqüência em determinada época do ano, mais precisamente o verão, época de maior presença do parasita. Entretanto, alguns animais apresentam prurido durante todo o ano.

O tratamento visa a eliminação dos ectoparasitas no animal e no ambiente (assim como seus ovos), controle do prurido e tratamento dos contactantes (outros animais da casa).

O tratamento dos contactantes é importante uma vez que são carreadores assintomáticos do agente. Isso é feito através da utilização de parasiticidas no animal, seus contactantes e no ambiente, conforme orientação do Médico Veterinário.

DAPP

Local de maior incidência de lesões por DAPP

 

 

Videocirurgias

A cirurgia por videolaparoscopia consiste na introdução de uma microcâmera e pinças na cavidade abdominal por meio de pequenas incisões ou punções. Também chamada de minimamente invasiva oferece uma série de vantagens sobre a cirurgia convencional como:

[custom_list style=”list-1″]

  • Menor dor no pós-operatório;
  • Menor tempo de internação;
  • Melhor resultado cosmético, com cicatrizes menores;
  • Retorno mais rápido as atividades rotineiras;
  • Menor índice de infecção de ferida cirúrgica.

[/custom_list]

Pode ser utilizada para obtenção de biópsias e demais procedimentos cirúrgicos, principalmente a nível da cavidade abdominal.

Orientação Pediátrica : Cão e Gato

Ao adquirir um filhote não é recomendável vaciná-lo ou mudar sua alimentação antes de uma semana no novo lar, pois o afastamento deste da mãe e dos irmãos e a mudanças de ambiente já são suficientes para estressá-lo nestes primeiros dias.

ALIMENTAÇÃO
O ideal é acostumá-lo com ração para filhotes que já vem balanceada de acordo com as necessidades nutricionais dos mesmos. Uma comida caseira jamais chegará aos pés de uma ração que já vem balanceada. Devemos evitar doces, temperos, frituras, gorduras,ossos de aves e polenta.

VACINAÇÃO
Deverá ser iniciada à partir dos 45-60 dias, dependendo da vacina a ser utilizada e das condições de saúde do filhote, pois caso contrário é preferível adiar um pouco a vacinação. Filhotes com algum problema de saúde como vômito, diarréia, falta de apetite e problemas dermatológicos não devem ser vacinados.

HIGIENE
Banhos devem ser evitados até os 3 meses de idade, porém em caso de extrema necessidade poderá ser dado banho com água morna, utilizando shampoo próprio para cães e gatos. O processo de secagem deverá ser efetuado com toalha e completado com secador, tomando-se o cuidado de não deixar o filhote entrar em contato com corrente de ar durante e após o banho.
Os cães e gatos de pelo longo devem ser escovados pelo menos 2 vezes por semana, para mantê-los limpos e macios.

EVERMINAÇÃO
Existem vários produtos que podem ser utilizados, porém o critério de seleção de uso só deve ser feito pelo médico veterinário. De maneira geral, os filhotes deverão ser everminados de 3 em 3 meses. Procure observar nas fezes a presença de parasitas, bem como a cor e consistência das mesmas, pois já que o bichinho não fala, é baseado nas informações do proprietário que o clínico se baseia para chegar a um diagnóstico.

EDUCAÇÃO
Seu companheiro deve ser recompensado com afagos e palavras carinhosas, mas também reprimido, quando necessário. No caso de cães de guarda, deve-se procurar a orientação de um adestrador por volta dos 4 meses de idade.
Evite dar petiscos para seu companheiro, pois além de estimulá-lo a comer somente a ração, você estará prevenindo possíveis iscas com veneno que o bichinho venha a ter acesso.

Os Benefícios da Cirurgia de Castração

A castração é um procedimento cirúrgico para retirada dos órgãos sexuais dos cães e gatos.
Na fêmea se retira o útero e os ovários e no macho, os testículos.

Pode-se fazer a castração por três motivos: a) controle reprodutivo, como o próprio nome diz, o animal não vai mais se reproduzir; b) por motivo comportamental, para diminuição da agressividade, do cheiro da urina e da demarcação de território, principalmente em gatos; e c) por prevenção à saúde, pois nos machos a castração previne tumores de testículo e de próstata e nas fêmeas, previne infecções uterinas e tumores de mama, mas, para que isto seja efetivo, a castração das fêmeas deverá ser feita o mais precoce possivel, pois, segundo estudos, se este procedimento for realizado antes do 1º cio o risco de tumor de mama é apenas de 0,5%. Já entre o 1º e 2º cio, o risco aumenta para 8% e entre o 2º e o 3º cio já eleva-se para 25%. Nós sugerimos a castração, independentemente de canino ou felino, fêmea ou macho, em torno do 5º mês e após a conclusão das vacinas.

No caso das fêmeas, além de evitarmos os cios indesejáveis, ainda prevenimos as infecções uterinas e tumores de mama relativamente comuns de ocorrerem na terceira idade, o que torna o procedimento mais oneroso e perigoso.

Normalmente a castração é um procedimento seguro e no dia seguinte o paciente já retoma ao seu comportamento normal.

A cirurgia de castração é a principal ferramenta de controle reprodutivo e guarda responsável que podemos utilizar.